Arquivo da tag: América Latina

No puedes comprar mi vida

Novembro de 2011( quase final da primavera no hemisfério sul).  Na Patagônia e em Belo Monte eles querem usinas. Só para lembrar: ” Os poderosos podem destruir uma, duas ou até três rosas, mas jamais irão impedir a primavera.”

“Calle 13 con Toto Momposina, Susana Baca y Maria Rita

Latinoamerica

Soy,
Soy lo que dejaron,
soy toda la sobra de lo que se robaron.
Un pueblo escondido en la cima,
mi piel es de cuero por eso aguanta cualquier clima.
Soy una fábrica de humo,
mano de obra campesina para tu consumo
Frente de frio en el medio del verano,
el amor en los tiempos del cólera, mi hermano.
El sol que nace y el día que muere,
con los mejores atardeceres.
Soy el desarrollo en carne viva,
un discurso político sin saliva.
Las caras más bonitas que he conocido,
soy la fotografía de un desaparecido.
Soy la sangre dentro de tus venas,
soy un pedazo de tierra que vale la pena.
soy una canasta con frijoles ,
soy Maradona contra Inglaterra anotándote dos goles.
Soy lo que sostiene mi bandera,
la espina dorsal del planeta es mi cordillera.
Soy lo que me enseño mi padre,
el que no quiere a su patria no quiere a su madre.
Soy América latina,
un pueblo sin piernas pero que camina.

Tú no puedes comprar al viento.
Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
Tú no puedes comprar el calor.
Tú no puedes comprar las nubes.
Tú no puedes comprar los colores.
Tú no puedes comprar mi alegría.
Tú no puedes comprar mis dolores.

Tengo los lagos, tengo los ríos.
Tengo mis dientes pa` cuando me sonrío.
La nieve que maquilla mis montañas.
Tengo el sol que me seca y la lluvia que me baña.
Un desierto embriagado con bellos de un trago de pulque.
Para cantar con los coyotes, todo lo que necesito.
Tengo mis pulmones respirando azul clarito.
La altura que sofoca.
Soy las muelas de mi boca mascando coca.
El otoño con sus hojas desmalladas.
Los versos escritos bajo la noche estrellada.
Una viña repleta de uvas.
Un cañaveral bajo el sol en cuba.
Soy el mar Caribe que vigila las casitas,
Haciendo rituales de agua bendita.
El viento que peina mi cabello.
Soy todos los santos que cuelgan de mi cuello.
El jugo de mi lucha no es artificial,
Porque el abono de mi tierra es natural.

Tú no puedes comprar al viento.
Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
Tú no puedes comprar el calor.
Tú no puedes comprar las nubes.
Tú no puedes comprar los colores.
Tú no puedes comprar mi alegría.
Tú no puedes comprar mis dolores.

Você não pode comprar o vento
Você não pode comprar o sol
Você não pode comprar chuva
Você não pode comprar o calor
Você não pode comprar as nuvens
Você não pode comprar as cores
Você não pode comprar minha felicidade
Você não pode comprar minha tristeza

Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
(Vamos dibujando el camino,
vamos caminando)
No puedes comprar mi vida.
MI TIERRA NO SE VENDE.

Trabajo en bruto pero con orgullo,
Aquí se comparte, lo mío es tuyo.
Este pueblo no se ahoga con marullos,
Y si se derrumba yo lo reconstruyo.
Tampoco pestañeo cuando te miro,
Para q te acuerdes de mi apellido.
La operación cóndor invadiendo mi nido,
¡Perdono pero nunca olvido!

(Vamos caminando)
Aquí se respira lucha.
(Vamos caminando)
Yo canto porque se escucha.

Aquí estamos de pie
¡Que viva la América!

No puedes comprar mi vida.”

.-.

leia + sobre a questão de Belo Monte – clicando aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em leituras, locos por ti américa, Memória, movimentos sociais, mulheres, protestos, relatos, vídeos

Una esperanza para la humanidad

.-.-.-.

Deixe um comentário

Arquivado em locos por ti américa, Memória, protestos, vídeos

UTOPIAS FLORESCEM

na primavera, começamos a colher o que plantamos nas estações anteriores e re-plantamos para as próximas.

locos por ti américa !

.-.-.-.-.

3 Comentários

Arquivado em arte, filosofices, locos por ti américa, Memória, movimentos sociais

Soy louco por Ti AMÉRICA

Biotour, um projeto que inspira…

O projeto Ciclovida tb:

” Os viajantes documentam a dominação dos agrocombustíveis no campo e o deslocamento de milhões de pequenos agricultores e comunidades indígenas.

Cultivos e matas nativas estão sendo substituídos por desertos verdes de monoculturas transgênicas onde nada mais, planta ou animal, pode sobreviver aos agrotóxicos. “

+ info do projeto aqui e aqui

……..

o que esperar pós 2010?

vislumbro percorrer a América Latina  ou de bicicleta, ou de biotour ou jipe; poucos detalhes nos separam da concretude… aguarde!!

1 comentário

Arquivado em arte, bicicletas, filosofices, vídeos

La Negra

Ontem, (04 de out), transvivenciou Mercedes Sosa, nomeada por muit@s como a voz dos sem voz na América Latina.

Arte: Latuff

Arte: Latuff

Ganhou o apelido de “la Negra”, por causa de suas longas e belas madeixas; de forte opinião política, sempre se posicionava ao lado dos oprimid@s do continente latino, com sua voz marcante e emocionante, essa era Mercedes, Mercedes Sosa ou simplesmente a voz dos que não tinham voz!

mais sobre a voz da América Latina:

( 1) (2) (3) (4) (5)

-.-.-.-.-.-

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

Aula de História

Ilustração Latuff

Ilustração Latuff

O PARADOXO AMBULANTE

Eduardo Galeano

A cada dia, lendo os jornais, assisto a uma aula de história. Os jornais me ensinam pelo que dizem e pelo que calam. A história é um paradoxo ambulante. A contradição move-lhe as pernas. Talvez por isso seus silêncios dizem mais que suas palavras, e com freqüência suas palavras revelam, mentindo, a verdade. Daqui a pouco será publicado meu livro que se chama “Espejos” (“Espelhos”). É algo assim como uma história universal, e perdão pelo atrevimento. “Eu posso resistir a tudo, menos à tentação”, dizia Oscar Wilde, e confesso que sucumbi à tentação de contar alguns episódios da aventura humana no mundo, desde o ponto de vista dos que não saíram na foto. Para dizer de outra maneira, trata-se de fatos não muito conhecidos. Aqui resumo alguns, apenas alguns. – – –

Quando foram desalojados do Paraíso, Adão e Eva mudaram-se para a África, não a Paris. Algum tempo depois, quando seus filhos já haviam se lançado nos caminhos do mundo, inventou-se a escrita. No Iraque, não no Texas. Também a álgebra foi inventada no Iraque. Fundou-a Mohamed al Jwarizmi, há mil e duzentos anos, e as palavras algoritmo e algarismo derivam de seu nome. Os nomes costumam não coincidir com o que nomeiam. No Museu Britânico, tomemos como exemplo as esculturas do Partenon que se chamam “mármores de Elgin”, mas são mármores de Fídias. Elgin era o nome do inglês que as vendeu ao museu.As três novidades que tornaram possível o Renascimento europeu, a bússola, a pólvora e a imprensa, haviam sido inventadas pelos chineses, que também inventaram quase tudo o que a Europa reinventou.Os hindus sabiam antes de qualquer um que a Terra era redonda e os maias haviam criado o calendário mais exato de todos os tempos. – – –

Em 1493, o Vaticano presenteou a Espanha com a América e obsequiou a África negra a Portugal, “para que as nações bárbaras sejam reduzidas à fé católica”. Então, a América tinha quinze vezes mais habitantes que a Espanha, e a África negra cem vezes mais que Portugal. Tal como havia determinado o Papa, as nações bárbaras foram reduzidas. E muito.- – –

Tenochtitlán, o centro do império asteca, era de água. Hernán Cortés demoliu a cidade, pedra por pedra, e com os escombros tapou os canais por onde navegavam duzentas mil canoas. Esta foi a primeira guerra da água na América. Agora Tenochtitlán chama-se México DF. Por onde corria a água, correm os automóveis. – – –

O monumento mais alto da Argentina foi erigido em homenagem ao general Roca, que no século dezenove exterminou os índios da Patagônia. A maior avenida do Uruguai leva o nome do general Rivera, que, no século dezenove, exterminou os últimos índios charruas. – – –

John Locke, o filósofo da liberdade, era acionista da Royal Africa Company, que comprava e vendia escravos.

Enquanto nascia o século dezoito, o primeiro dos Bourbons, Felipe V, estreou seu trono assinando um contrato com seu primo, o rei da França, para que a Compagnie de Guinée vendesse negros na América. Cada monarca levava uns 25 por cento do lucro. Nomes de alguns navios negreiros: Voltaire, Rousseau, Jesus, Esperança, Igualdade, Amizade. Dois dos Pais Fundadores dos Estados Unidos desvaneceram-se na névoa da história oficial. Ninguém recorda de Robert Carter nem de Gouverner Morris. A amnésia recompensou seus atos. Carter foi o único prócer da independência que libertou seus escravos. Morris, redator da Constituição, opôs-se à cláusula que estabeleceu que um escravo equivalia às três quintas partes de uma pessoa. “O nascimento de uma nação”, a primeira superprodução de Hollywood, estreou em 1915, na Casa Branca. O presidente, Woodrow Wilson, aplaudiu-a em pé. Ele era o autor dos textos do filme, um hino racista de louvor a Ku Klux Klan. – – –

Algumas datas: Desde o ano 1234, e durante os sete séculos seguintes, a Igreja Católica proibiu que as mulheres cantassem nos templos. Suas vozes eram impuras, por aquele assunto de Eva e o pecado original. No ano 1783, o rei da Espanha decretou que não eram desonrosos os trabalhos manuais, os chamados “ofícios vis”, que até então implicavam perda da fidalguia. Até o ano 1986, foi legal o castigo das crianças nas escolas da Inglaterra, com correias, varas e porretes.- – –

Em nome da liberdade, a igualdade e a fraternidade, a Revolução Francesa proclamou em 1793 a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Então, a militante revolucionária Olympia de Gouges propôs a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã. A guilhotina cortou-lhe a cabeça. Meio século depois, outro governo revolucionário, durante a Primeira Comuna de Paris, proclamou o sufrágio universal. Ao mesmo tempo, negou o direito de voto às mulheres, por unanimidade menos um: 899 votos contra, um a favor.- – –

A imperatriz cristã Teodora nunca disse ser revolucionária, nem algo no estilo. Mas, há mil e quinhentos anos, o império bizantino foi, graças a ela, o primeiro lugar do mundo onde o aborto e o divórcio foram direitos das mulheres. – – –

O general Ulisses Grant, vencedor na guerra do norte industrial contra o sul escravista, foi a seguir presidente dos Estados Unidos. Em 1875, respondendo às pressões britânicas, respondeu:- Dentro de duzentos anos, quando obtivermos do protecionismo tudo o que nos pode oferecer, nós também adotaremos a liberdade de comércio.Assim, pois, no ano 2075, a nação mais protecionista do mundo adotará a liberdade de comércio.- – –

Lootie, “Botincito”, foi o primeiro cão pequinês que chegou à Europa. Viajou para Londres em 1860. Os ingleses batizaram-no desse modo porque era parte do botim arrancado da China, ao cabo das duas longas guerras do ópio. Vitória, a rainha narcotraficante, impusera o ópio a tiros de canhão. A China foi convertida em uma nação de drogados, em nome da liberdade, a liberdade de comércio. Em nome da liberdade, a liberdade de comércio, o Paraguai foi aniquilado em 1870. No fim de uma guerra de cinco anos, este país, o único país das Américas que não devia um centavo a ninguém, inaugurou sua dívida externa. Às suas ruínas fumegantes chegou, de Londres, o primeiro empréstimo. Foi destinado a pagar uma enorme indenização para o Brasil, a Argentina e o Uruguai. O país assassinado pagou aos países assassinos pelo trabalho que tiveram assassinando-o.- – –

O Haiti também pagou uma enorme indenização. Desde que, em 1804, conquistou sua independência, a nova nação arrasada teve que pagar uma fortuna à França, durante um século e meio, para expiar o pecado de sua liberdade. – – –

As grandes empresas têm direitos humanos nos Estados Unidos. Em 1886, a Suprema Corte de Justiça estendeu os direitos humanos às corporações privadas, e assim segue sendo. Poucos anos depois, em defesa dos direitos humanos de suas empresas, os Estados Unidos invadiram dez países, em diversos mares do mundo. Então Mark Twain, dirigente da Liga Anti-imperialista, propôs uma nova bandeira, com caveirinhas no lugar de estrelas, e outro escritor, Ambrose Bierce, comprovou: – A guerra é o caminho que Deus elegeu para nos ensinar geografia. – –

Os campos de concentração nasceram na África. Os ingleses iniciaram o experimento, e os alemães o desenvolveram. Depois Hermann Göring aplicou, na Alemanha, o modelo que seu papai havia ensaiado, em 1904, na Namíbia. Os mestres de Joseph Mengele haviam estudado, no campo de concentração da Namíbia, a anatomia das raças inferiores. Todos os negros eram cobaias. – – –

Em 1936, o Comitê Olímpico Internacional não tolerava insolências. Nas Olimpíadas de 1936, organizadas por Hitler, a seleção de futebol do Peru derrotou por 4 a 2 a seleção da Áustria, o país natal do Führer. O Comitê Olímpico anulou a partida. – – –

Não faltavam amigos para Hitler. A Rockefeller Foundation financiou investigações raciais e racistas da medicina nazi. A Coca-Cola inventou a Fanta, em plena guerra, para o mercado alemão. A IBM tornou possível a identificação e classificação dos judeus, e esta foi a primeira façanha em grande escala do sistema de cartões perfurados. – –

Em 1953, explodiu o protesto operário na Alemanha comunista. Os trabalhadores lançaram-se às ruas e os tanques soviéticos ocuparam-se em lhes calar a boca. Então Bertolt Brecht propôs: “Não seria mais fácil o governo dissolver o povo e escolher outro?” – – –

Operações de marketing. A opinião pública é o target. As guerras vendem-se mentindo, como vendem-se os automóveis. Em 1964, os Estados Unidos invadiram o Vietnã, porque o Vietnã havia atacado dois navios dos Estados Unidos no golfo de Tonquin. Quando a guerra já havia destripado a uma multidão de vietnamitas, o ministro de Defesa, Robert McNamara, reconheceu que o ataque de Tonquin não existira.Quarenta anos depois, a história se repetiu no Iraque. Milhares de anos antes que a invasão norte-americana levasse a civilização ao Iraque, nesta terra bárbara havia nascido o primeiro poema de amor da história universal. Em língua suméria, escrito no barro, o poema narrou o encontro de uma deusa e um pastor. Inanna, a deusa, naquela noite amou como se fosse mortal. Dumuzi, o pastor, foi imortal enquanto durou essa noite. Paradoxos ambulantes, paradoxos estimulantes. O Aleijadinho, o homem mais feio do Brasil, criou as mais belas esculturas da era colonial americana. O livro de viagens de Marco Polo, aventura da liberdade, foi escrito no cárcere de Gênova. Dom Quixote de La Mancha, outra aventura da liberdade, nasceu no cárcere de Sevilha. Foram netos de escravos os negros que geraram o jazz, a mais livre das músicas. Um dos melhores guitarristas de jazz, o cigano Django Reinhardt, tinha não mais que dois dedos em sua mão esquerda. Não tinha mãos Grimod de la Reynière, o grande mestre da cozinha francesa. Com ganchos escrevia, cozinhava e comia.

-.-.-.-.-.

3 Comentários

Arquivado em charge, leituras, Memória, relatos, texto