Arquivo da tag: vídeos

No feriado

Putzs, feriado… falta inspiração?

Ouça e vai, vai pedalar

 

La Bicicletta :
Bella e seducente, è solo mia
sempre più attraente non resisto e così sia
con quella sua linea essenziale ed elegante
possederla è un’emozione intensa ed esaltante
da quando l’ho incontrata, non sono più lo stesso
la mia vita è migliorata, non sono mai depresso
ogni santo giorno ho una gran voglia di saltare
con un balzo in sella e cominciare a pedalare, pedalare, pedalare…

 

con la sua meccanica semplice e perfetta
vola vola vola sulla bicicletta
con la bandierina lo specchietto e la trombetta
vola vola vola sulla bicicletta
se ne va a fare la spesa col triciclo la vecchietta
vola vola vola sulla bicicletta
con il campanello col cestino e la pompetta
vola vola vola sulla bicicletta

 

vola sopra il traffico vola sullo smog
risparmio la benzina mi diverto e faccio sport
questa è la mia droga e non ne posso fare a meno
se il tragitto è lungo me la carico sul treno
macini kilometri e fatichi sempre poco
con un carrello al seguito puoi fare anche un trasloco
me la porto in casa vado su con l’ascensore
l’appendo alla parete e poi la lucido per ore

 

veleggio, pedalo senza fretta
plano e galleggio, sulla mia bicicletta!

 

secondo me è un gioiello di tecnica applicata
il genio dell’umanità sta in una pedalata
è il fiore all’occhiello dell’ingegneria
infallibile congegno ad orologeria
ce ne andiamo in piazza per il centro oppure al mare
lei mi porta al parco, a far la spesa a lavorare
col sorriso in faccia e con il vento tra i capelli
sempre in giro insieme e che momenti sono quelli
pedalare, pedalare, pedalare…

 

per un mondo più pulito questa è l’unica ricetta
vola vola vola sulla bicicletta
contro la cultura del consumo “usa e getta”
vola vola vola sulla bicicletta
se vuoi essere felice come un tempo dammi retta
vola vola vola sulla bicicletta
puoi viaggiare in tondo oppure andare in linea retta
vola vola vola sulla bicicletta

 

vola sopra il traffico vola sullo stress
vola sull’asfalto su sterrato o su pavé
fa bene allo spirito benissimo all’ambiente
non esiste mezzo di trasporto più efficiente
se incontro una salita e la storia si fa tesa
prima ancora che sia finita già pregusto la discesa
bando alla pigrizia, dico largo all’allegria
tutti in sella a pedalare in compagnia!

 

veleggio, pedalo senza fretta
plano e galleggio, sulla mia bicicletta!

 

velocipede che grande invenzione
con la bici noi faremo la rivoluzione
velocipede che grande passione
libera la mente il corpo e l’immaginazione
con la benedizione di santa graziella
santa tutelare di chi viaggia a pedivella
niente più benzina niente bollo da pagare
tanta pasta asciutta e poi trazione muscolare

 

velocipede che grande invenzione
sviluppa l’endorfina attiva la circolazione
velocipede che grande passione
e non prendo più nè multa nè contravvenzione

 

Foto: Pedro Moraes

foto: Pedro Moraes

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em bicicletas, protestos

20 anos

Deixe um comentário

Arquivado em Bicicletada, bicicletas, massa crítica, Memória, movimentos sociais, Uncategorized, vídeos

No puedes comprar mi vida

Novembro de 2011( quase final da primavera no hemisfério sul).  Na Patagônia e em Belo Monte eles querem usinas. Só para lembrar: ” Os poderosos podem destruir uma, duas ou até três rosas, mas jamais irão impedir a primavera.”

“Calle 13 con Toto Momposina, Susana Baca y Maria Rita

Latinoamerica

Soy,
Soy lo que dejaron,
soy toda la sobra de lo que se robaron.
Un pueblo escondido en la cima,
mi piel es de cuero por eso aguanta cualquier clima.
Soy una fábrica de humo,
mano de obra campesina para tu consumo
Frente de frio en el medio del verano,
el amor en los tiempos del cólera, mi hermano.
El sol que nace y el día que muere,
con los mejores atardeceres.
Soy el desarrollo en carne viva,
un discurso político sin saliva.
Las caras más bonitas que he conocido,
soy la fotografía de un desaparecido.
Soy la sangre dentro de tus venas,
soy un pedazo de tierra que vale la pena.
soy una canasta con frijoles ,
soy Maradona contra Inglaterra anotándote dos goles.
Soy lo que sostiene mi bandera,
la espina dorsal del planeta es mi cordillera.
Soy lo que me enseño mi padre,
el que no quiere a su patria no quiere a su madre.
Soy América latina,
un pueblo sin piernas pero que camina.

Tú no puedes comprar al viento.
Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
Tú no puedes comprar el calor.
Tú no puedes comprar las nubes.
Tú no puedes comprar los colores.
Tú no puedes comprar mi alegría.
Tú no puedes comprar mis dolores.

Tengo los lagos, tengo los ríos.
Tengo mis dientes pa` cuando me sonrío.
La nieve que maquilla mis montañas.
Tengo el sol que me seca y la lluvia que me baña.
Un desierto embriagado con bellos de un trago de pulque.
Para cantar con los coyotes, todo lo que necesito.
Tengo mis pulmones respirando azul clarito.
La altura que sofoca.
Soy las muelas de mi boca mascando coca.
El otoño con sus hojas desmalladas.
Los versos escritos bajo la noche estrellada.
Una viña repleta de uvas.
Un cañaveral bajo el sol en cuba.
Soy el mar Caribe que vigila las casitas,
Haciendo rituales de agua bendita.
El viento que peina mi cabello.
Soy todos los santos que cuelgan de mi cuello.
El jugo de mi lucha no es artificial,
Porque el abono de mi tierra es natural.

Tú no puedes comprar al viento.
Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
Tú no puedes comprar el calor.
Tú no puedes comprar las nubes.
Tú no puedes comprar los colores.
Tú no puedes comprar mi alegría.
Tú no puedes comprar mis dolores.

Você não pode comprar o vento
Você não pode comprar o sol
Você não pode comprar chuva
Você não pode comprar o calor
Você não pode comprar as nuvens
Você não pode comprar as cores
Você não pode comprar minha felicidade
Você não pode comprar minha tristeza

Tú no puedes comprar al sol.
Tú no puedes comprar la lluvia.
(Vamos dibujando el camino,
vamos caminando)
No puedes comprar mi vida.
MI TIERRA NO SE VENDE.

Trabajo en bruto pero con orgullo,
Aquí se comparte, lo mío es tuyo.
Este pueblo no se ahoga con marullos,
Y si se derrumba yo lo reconstruyo.
Tampoco pestañeo cuando te miro,
Para q te acuerdes de mi apellido.
La operación cóndor invadiendo mi nido,
¡Perdono pero nunca olvido!

(Vamos caminando)
Aquí se respira lucha.
(Vamos caminando)
Yo canto porque se escucha.

Aquí estamos de pie
¡Que viva la América!

No puedes comprar mi vida.”

.-.

leia + sobre a questão de Belo Monte – clicando aqui

Deixe um comentário

Arquivado em leituras, locos por ti américa, Memória, movimentos sociais, mulheres, protestos, relatos, vídeos

Rememorar o 18 de Março

Em 18 de março de 1871, os trabalhador@s que habitavam Paris tomaram nas mãos a História: construíram a 1ª república proletária da humanidade.

Já em 2011, em umas das regiões mais fabris do país( o ABC), novamente os trabalhador@s irão às ruas e quem sabe, façam a história com as mãos e os seus pés…

….

À memória de Rodolfo Gonzales Pacheco, o grande poeta e dramaturgo, recentemente falecido, que honrou as ideias anarquistas( idênticas aos communards). Inspirado numa das suas peças de teatro.

O Semeador

Como eu, há muitos percorrendo o mundo.
Através das nações, do mar profundo,
dos desertos escaldantes, dos países gelados,
cruzam os meus companheiros,
atrás dos seus arados.

Saúda-os a Manhã nos cânticos dos galos.
O Meio-dia com a sesta os abençoa.
E a Noite vai tragá-los,
como um túnel imenso.

Mas eles seguem sempre, em seu labor imersos.
Aqui, lavram um monte.
Ali, secam um charco.
Mais adeante, publicam um jornal
E, mais longe, sobre um barco,
fazem flamejar versos.

Obreiros, apóstolos, poetas,
semeadores das verdes campinas do Ideal,
seguem, sem se deter, pelas veredas retas,
duros, tostados, curtidos
pelas brasas do sol,
pelo açoite dos vendavais.

Para quê?
Para amealhar riquezas materiais?
Conquistar o vil poder?
A suja glória de mandar?
Não e Não!
Apenas para isto: semear!
Nenhuma outra ambição,
nenhuma outra cobiça
agita o semeador.
Semear o de que mais os homens necessitam:
fé na Vida,
esperança na Justiça, Amor!

Jamais nos vimos,
o que ara e o que escreve,
o que, caçando estrelas, aos céus se empina
e o que, impelindo o arado pelos cimos,
caminha pela neve,
ou o que marcha
pela senda que ele próprio abriu na mina.

E entretanto compreendemos
que somos camaradas e irmãos,
de uma única armada combatentes.
São os mesmos os nossos fins supremos.
O mesmo ideal nos faz mover as mãos
e o mesmo sonho abrasa as nossas mentes.

Semear sem descanso! — eis o lema de tantos.
Mas semear o quê? — perguntarão.
— Pois, isto: Pão,
impulsos, visões, cantos,
protestos, esperanças e amores!

Rodolfo, como tu, com teu ardor fecundo,
eu sou também dos tantos semeadores
que percorrem o mundo!

……

Outros exemplos de quem sabe faz a hora

vídeo 1 e vídeo 2 (clique nos nº)

.-.-.-.-.

1 comentário

Arquivado em arte, Bicicletada, bicicletas, Memória, poesia, vídeos

Una esperanza para la humanidad

.-.-.-.

Deixe um comentário

Arquivado em locos por ti américa, Memória, protestos, vídeos

Mais amor e menos motor

obrigado Kel e Diego

Eu e o Diego filmamos na bicicletada SP.  Estava animada e revoltada.(…) Conhecemos muita gente simpática e falamos sobre o vegan e o cicloVeg. (…)

-.-.-.-.-.

1 comentário

Arquivado em Bicicletada, bicicletas, massa crítica, Memória, movimentos sociais, protestos

História: Patriotas Latinos

Assista a bela menina que pedala, nos possibilitar uma aula de história….

…….

BELLA

BELLA,
como en la piedra fresca
del manantial, el agua
abre un ancho relámpago de espuma,
así es la sonrisa en tu rostro,
bella.

Bella,
de finas manos y delgados pies
como un caballito de plata,
andando, flor del mundo,
así te veo,
bella.

Bella,
con un nido de cobre enmarañado
en tu cabeza, un nido
color de miel sombría
donde mi corazón arde y reposa,
bella.

Bella,
no te caben los ojos en la cara,
no te caben los ojos en la tierra.
Hay países, hay ríos
en tus ojos,
mi patria está en tus ojos,
yo camino por ellos,
ellos dan luz al mundo
por donde yo camino,
bella.

Bella,
tus senos son como dos panes hechos
de tierra cereal y luna de oro,
bella.

Bella,
tu cintura
la hizo mi brazo como un río cuando
pasó mil años por tu dulce cuerpo,
bella.

Bella,
no hay nada como tus caderas,
tal vez la tierra tiene
en algún sitio oculto
la curva y el aroma de tu cuerpo,
tal vez en algún sitio,
bella.

Bella, mi bella,
tu voz, tu piel, tus uñas
bella, mi bella,
tu ser, tu luz, tu sombra,
bella,
todo eso es mío, bella,
todo eso es mío, mía,
cuando andas o reposas,
cuando cantas o duermes,
cuando sufres o sueñas,
siempre,
cuando estás cerca o lejos,
siempre,
eres mía, mi bella,
siempre.

Pablo Neruda

-.-.-.-.

3 Comentários

Arquivado em arte, bicicletas, filosofices, leituras, Memória, movimentos sociais, poesia, vídeos