Arquivo da tag: praça do ciclista

Vem pra praça

passelivre

Todo aumento é uma injustiça! Cada vez que a tarifa sobe, aumenta também o número de pessoas excluídas do sistema de transporte – em 2010, já eram 37 milhões de brasileiros que deixavam de usar o ônibus todo dia por não ter dinheiro. E não ter acesso ao transporte significa não ter acesso à cidade: dependemos da condução para ir e voltar do trabalho, escolas, hospitais, visitar amigos, etc.

Cobrar pelo uso do transporte – que deveria ser público – e ainda aumentar esse preço é uma escolha política pela exclusão, que só beneficia os cofres dos empresários de ônibus. Quando se trata de mobilidade urbana, o poder público continua investindo a maior parte em grandes obras viárias que só beneficiam o carro e não resolvem o problema do trânsito. Enquanto isso, a passagem continua subindo, atendendo às exigências dos empresas que exploram esse serviço.

É possível barrar um aumento! Nos últimos anos, a população de várias cidades do Brasil saiu às ruas para protestar e conseguiu forçar suas prefeituras a abaixar o preço da passagem. Aconteceu em Florianópolis, Porto Alegre, Vitória, Teresina, Natal, Aracajú e Taboão da Serra. Se eles conseguiram lá, podemos conseguir aqui também! Só falta São Paulo.

SE A TARIFA NÃO BAIXAR, A CIDADE VAI PARAR!
TODO AUMENTO É UMA INJUSTIÇA! POR UMA VIDA SEM CATRACAS!

estaiada1

 

Lincoln Secco, especial para o Viomundo

As recentes manifestações de junho do Movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo surpreenderam os donos do poder. Como a justiça da causa não podia ser questionada, as armas da crítica voltaram-se contra a crítica das armas. E sendo assim, perderam.

Ainda que as armas não fossem armas. Pneus incendiados, lixeiras como barricadas e milhares de pessoas concentradas ainda não podem ameaçar nenhum grupo estabelecido no andar de cima. Mas podem desmoralizá-lo. Diante disso a “crítica” dirigiu-se à turba, à baderna, ao “trânsito”, aos arruaceiros e aos jovens filhos de papai.

Sem resultados, os críticos descobriram os partidos. Assim, pelos jornais “sabemos” que certos partidos de “extrema esquerda” dirigiam sorrateiramente o MPL. Nada mais falso. O MPL se organiza horizontalmente, ao lado, acima (por vezes abaixo) dos partidos políticos. Não é, portanto, uma frente de partidos. Decerto há nele militantes de partidos. Nada mais esperado e justificado. Os partidos de esquerda, revolucionários ou não, vivem sempre a expectativa de montar o cavalo já em disparada.

Eis que a grande imprensa lembrou o vandalismo. “Vândalos!”, berravam apresentadores transtornados nos telejornais sensacionalistas. Em movimentos assim, é natural que haja ações erradas, revoltas incontidas e gritos de ódio. A população que se movimenta não o faz segundo a etiqueta de parlamentares de terno, gravata, seguranças e jantares caros.

Uma ou outra vidraça se quebra porque, ao contrário dos militares que batem, atiram balas de borracha e lançam bombas de gás lacrimogêneo, os militantes das ruas ainda não se acostumaram a mirar com precisão. Eles não dispõem de dinheiro, da polícia e das leis ao seu lado. Mas segundo a contabilidade prática do movimento as lixeiras incendiadas e os prejuízos ao tráfego poderão ser descontados tranquilamente dos bilhões desviados dos cofres públicos nas licitações duvidosas de obras que visam melhorar exatamente o tráfego.

Mas alto lá, proclama um prefeito. O custo do passe livre o inviabiliza! É certo que poderíamos fazer outra conta. A tarifa zero, proposta hoje por vários partidos piratas europeus, foi pela primeira vez lançada pela própria prefeitura da cidade de São Paulo e pelo atual partido do Governo. O Partido dos Trabalhadores propôs durante a gestão de Luiza Erundina que a tarifa fosse paga por um imposto urbano progressivo. Sem apoio na época de um movimento social organizado foi fácil para a Câmara Municipal recusar.

Hoje desconheço os cálculos políticos que os governos fazem para se opor ao passe livre. Sei que os contábeis estão errados. E, provavelmente, os eleitorais também. Uma medida de tal impacto talvez pudesse se tornar o maior “programa social” de um partido. A economia com os gastos de cobrança e com a diminuição de automóveis nas ruas compensaria mesmo a chamada classe média.

Além disso, a população poderia se deslocar por vários serviços de saúde e educação desafogando os equipamentos públicos mais procurados. E nem precisaríamos citar os ganhos para os que frequentariam as escolas, bibliotecas, parques, praças, museus etc.

Confusos, finalmente os “críticos” dizem que se trata de um movimento comunista, anarquista, trotskista, punk, sindical, baderneiro… Mas sabemos que a finalidade do MPL não se define previamente. Apesar da evidência do motivo imediato (a livre locomoção urbana de todas as pessoas) e de ideais necessariamente vagos sobre outra sociedade, ele se define apenas como um grupo que luta. Luta por nós.

Lincoln Secco é professor de História Contemporânea da USP.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em movimentos sociais, protestos

Na marcha das vadias SP 2013

25/05 | 12h. A Marcha das Vadias de São Paulo, assim como a Marchas das Vadias no mundo, marcha para que a sociedade entenda que as mulheres não são responsáveis pela violência que sofrem. A sobrevivente NUNCA é culpada. Culpado é o agressor.

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

A concentração foi na praça do ciclista [ avenida paulista x rua da consoloção]; Mulheres e homens pedalaram participando da Marcha das Vadias em São Paulo – pedalando da praça do ciclista, avenida paulista, rua augusta e terminando na praça roosevelt.

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

 

e o aparelho de repressão do estado, na forma hype

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

leia tb sábado é dia – clique aqui

+ fotos no FB Biscate social club – clique aqui

As bicicletas na Marcha das Vadias 2013

 

Deixe um comentário

Arquivado em bicicletas, movimentos sociais, mulheres, protestos

A praia do paulista

É público, que os paulistanos carecem de uma praia. [ou a cidade de quem?]

Só que a criatividade, sempre esteve em alta na cidade dos modernistas e se fez presente na mais paulista das avenidas no dia mundial sem carro. Confira as fotos do sábado de sol que foi o 22 de setembro de 2012.

 

 

 

.-.-.–.

Deixe um comentário

Arquivado em Bicicletada, bicicletas, protestos, relatos

Massa Crítica Nacional

Deixe um comentário

Arquivado em arte, Bicicletada, bicicletas, massa crítica, protestos

Sacicletada

 Em São Paulo, terra de modernistas e antropofágicos, a Sacicletada de Outubro irá resgatar mitos e lendas brasileiras no Raloim do Saci.

A Sacicletada acontecerá em São Paulo dia 28/10/11 como sempre a última sexta-feira do mês.

Nos reunimos na Praça do Ciclista ( esquina da avenida Paulista com a Consolação ).O encontro começa a partir das 18 horas e saímos em massa crítica por volta das 20 horas, ocupando as ruas para festejar a bicicleta como meio de transporte. A Massa Crítica Paulistana convida as pessoas a ocuparem o espaço público de maneira inteligente.

Sempre com muita alegria, pessoas em seus veículos não-motorizados irão comemorar de uma maneira nada tradicional a “Mobilidade” de todos os cidadãos da cidade: “Você aí parado, comemorar conosco, é o melhor lado!”

Aqui todo mundo é bem vindo, não importa o valor do seu carro ou a grife da sua cueca, venha como puder…..Critical Mass acontece sempre na última sexta feira do mês há mais de 6 anos, e em mais de 400 cidades do mundo, simultaneamente. Para participar, a única obrigatoriedade é comparecer no ponto de encontro com um meio de transporte não motorizado. Pode ser Bicicleta, Patins, Skate ou até mesmo com seus próprios pés. Não tem bicicleta ou não sabe pedalar?… sem problemas. Apareça o quanto antes na praça do ciclista

LOCAL: O mesmo de sempre, Praça do Ciclista, que fica no canteiro central da Avenida Paulista, entre as ruas da Consolação e Bela Cintra.

HORÁRIO: O mesmo de sempre, concentração a partir das 18:00 e saída às 20:00.

TRAJETO: como sempre, decidido na hora, mas sempre um trajeto que seja possível para toda a massa.

……..

Um pouco de reflexão ( adaptado do original de Mouzar Benedito)

E por que o Saci?

– Ele é a síntese da formação do povo brasileiro:

É o mito brasileiro mais popular, o único conhecido no Brasil inteiro (Boitatá, Curupira e mesmo a Iara requerem explicações quando a gente fala deles, em alguns lugares. O Saci não).

É o típico brasileiro: mesmo pelado e deficiente físico, é brincalhão e gozador.”

E tem mais:

– no início era um indiozinho protetor da floresta. Tinha duas pernas.

– depois foi adotado pelos negros e virou negro. A perda de uma perna tem várias histórias. Uma delas é que ele foi escravizado, ficou preso pela perna, com grilhões, e cortou a perna presa. Preferiu ser um perneta livre do que escravo com duas pernas. É um libertário, então.

Deixe um comentário

Arquivado em bicicletas, charge, critical mass, massa crítica, protestos, texto

Bodas de papel

Um ano se passou. Novas amizades surgiram, outras se reforçaram, nosso amor ficou ainda maior. E a bicicleta se torna cada vez mais importante em nossas vidas.

Por isso, resolvemos comemorar nossa boda de papel do jeito mais convencional que conhecemos… de bicicleta, é claro!

Vamos nos encontrar no domingo 24/10 às 14h30, na Praça do Ciclista, para a Pedalada da Boda de Papel. E convidamos você para fazer parte dessa comemoração do nosso primeiro ano de casados!

Diferentemente do dia do casamento, esse é um convite às pessoas que ajudaram a fazer daquele um dia inesquecível, ou que fazem parte da nossa vida de um forma ou de outra.

Vá de bike!

 

Como no ano passado, faremos um trajeto leve, todo plano e fácil de acompanhar, mesmo para quem não pedala com frequência: Paulista – Vergueiro – Domingos de Morais. Estaremos usufruindo do nosso direito de circular de bicicleta pelas ruas da cidade em um grupo grande de ciclistas, o que traz mais segurança para todos.

 

………
Apoio no domingo:

Galerinha experiente

Não sei quais de vocês vão ou não no domingo.  Minha mãe e meu filho vão pedalar conosco no domingo. Minha mãe em um triciclo, meu filho numa aro 20. Como ambos pedalam devagar (principalmente minha mãe) e não têm experiência em avenidas, queria saber quais de vocês podem nos ajudar a levá-los pedalando até a Praça, saindo da minha casa (perto da Luis Goes) entre 13h e 13h30. Queria fazer uma massinha razoável pra não termos problemas com motoristas impacientes, afinal são uma criança e uma senhora sem prática de rua, pedalando em uma via desagradável para a bicicleta – especialmente no trecho entre a Sena Madureira e o início da Paulista, ali é ruim até pra gente e não tem caminho alternativo.

………..
” O casamento de Willian e Priscila foi um casamento público. O casal estava nas ruas. Sorriram, distribuiram flores, compartilharam a alegria do momento em público, sem convidados selecionados, sem hostless.

casamento_bike_01

No último par de décadas, nosso espaço público perdeu, meio sem percebermos, sua dimensão característica. Carros privados ocupam quase a totalidade do espaço, pedestres são xingados como invasores do asfalto sagrado, bancos de praça são removidos, crianças são orientadas a não jogar bola na rua, protestos públicos são reprimidos, gráficos são apagados dos muros e festas de rua só com uma dezena de autorizações.

O pedal do casório mostrou que existe disposição de grande parte da população para manifestações públicas e coletivas. Se um jovem casal e um grupo de ciclistas pôde fazê-lo, resta que os governantes tenham alguma vergonha.”

 

+ fotos  clique aqui

-.-.-.-.-.-

 

 

1 comentário

Arquivado em Bicicletada, bicicletas, festa, fotos, Memória, movimentos sociais

Pedalinas em junho

+ info no blog pedalinas ou @pedalinas: @talitanoguchi, @pedaline, @laurasobenes, @gabikato, @vmambrini, @mchevrand, @natiuska, @jcallegari

-.-.-.-.-.-.

Deixe um comentário

Arquivado em arte, Bicicletada, bicicletas, Memória, movimentos sociais, protestos